___________________________________________________________________________________________________________

                           
 

Um amor que enfrenta aventureiras batalhas
Por: Mary Ellen Farias dos Santos

Em novembro de 2004



Em edição condensada a obra do brasileiro José de Alencar, As Minas de Prata, mostra o Brasil na época, como colônia de Portugal. Anos em que havia grande interesse europeu em em terras brasileiras para a exploração do pau-brasil, madeira que existia com relativa abundância em largas faixas da costa brasileira.

Neste período, o Brasil, vivia sob constantes ameaças holandesas, espanholas e da Companhia de Jesus. É neste meio que estão as minas de prata, que assim, dá origem à história de José de Alencar, narrada em terceira pessoa.

A fortuna prometida pelas lendárias minas de prata de Robério Dias teria o poder de decidir o destino da colônia. No entanto, para defender o Brasil e o grande amor que sente por Inês ou Inesita, Estácio filho de Robério Dias, teria que resgatar o roteiro das minas. Tal roteiro que fora deixado pelo pai de Robério Dias, Moribeca, antes de morrer.

Passados alguns anos, o padrinho de Estácio repassa uma carta deixada pelo próprio Robério Dias, pai do rapaz. A carta escrita à mãe do moço, há cerca de quatro anos,
ainda estava selada mas trazia grandes informações.

Contudo, o maior problema do rapaz é o de ter um grande poder nas mãos sem saber usá-lo corretamente. Em meio a muitos altos e baixos, Estácio sempre justo, acaba por não desejar a riqueza material, mas salvar a honra do pai e casar-se com Inês. Enquanto que Padre Molina, ambicioso, visa destruir um império católico.

Entre reviravoltas e aventuras variadas Estácio e Inesita ficam juntos e mesmo tidos como mortos, reaparecem casados e felizes. Enquanto isso, Cristóvão e Elvira gravemente doente, Elvira quase chegar à beira da morte. Cristóvão no desespero quase comete suicídio, mas a tempo não o faz e os dois, casados, conseguem ser felizes.

A edição condensada da obra não perde o 'sabor' e nem a redação original do autor. Segundo o editor desta publicação, ao condensar o livro incentiva-se o contato de obra tão extensa, além de oferecer ao leitor uma via de acesso a um importante clássico da literatura brasileira.

De fato, o incentivo à leitura de clássicos é de extrema importância para os jovens leitores do Brasil. Assim como outras conhecidas obras de José de Alencar como Senhora, Lucíola, O Guarani, Cinco Minutos, Diva, O Gaúcho, Iracema, A viuvinha, Encarnação entre outros.


Livro: As Minas de Prata
Autor: José de Alencar
272 páginas
Editora: Ática

 
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
                                                 
   

   
       
                                                 
           

.: Leia também!

           
 

                   

               
  Resenha de "Harry Potter e a Pedra Filosofal!, de J. K. Rowling

.:Arquivo:.

Resenha de "Lucíola e Diva", de José de Alencar
 
   
   
             
                                                 
         

| Equipe | Mural de Recados | Parceiros | Privacidade | Fale Conosco |

         
                                                 
           

Site melhor visualizado no Google Chrome e Mozilla Firefox.

           

Google
www resenhando.com
___________________________________________________________________________________________________________

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,
eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Resenhando.
Direitos Reservados a Mary Ellen F. S. M. - Copyright @

___________________________________________________________________________________________________________